[PARANÁ] Portelinha avança rumo à regularização!

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livre

Na última segunda-feira, 1/04, cerca de 60 moradoras e moradores da Comunidade Portelinha – Curitiba estiveram na COHAB Curitiba para uma reunião à respeito da regularização do terreno e realocação das famílias que se encontram em área de risco.

Apesar da Cohab ter escolhido um horário que pouco contempla o povo trabalhador (principalmente aqueles e aquelas que dificilmente podem decidir sobre seu expediente), as famílias há dias se organizavam para estarem presentes e participando ativamente desse momento tão importante e decisivo para a Portelinha.

À pedido da Cohab e mesmo com a exigência por parte dos moradores e moradoras de que todos pudessem participar, a reunião de fato só aconteceu com pequena parte das pessoas presentes.
Dessas presentes, representantes da Portelinha se colocaram contrárias à qualquer projeto que proponha realocar a comunidade para bairros distantes.
São mais de 300 famílias com 12 anos de história de vida naquele território. É por ali que querem permanecer.

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e área interna

Além disso, foi mais uma vez pedido que fosse marcada uma reunião com o Ministério Público do Paraná – MPPR, para que seja anulada a reintegração de posse que é motivo de grande preocupação pra muitas famílias.
Também foi reiterado o pedido pra que seja mediado um encontro de representantes da Portelinha com representantes da empresa proprietária de parte dos terrenos, que já se encontra em massa falida com débitos inclusive com a Prefeitura de Curitiba, para fim de construir um acordo entre essas partes.

Por fim, a Cohab garantiu que a realocação das famílias situadas nas áreas de risco têm prioridade em seus projetos de habitação e que a comunidade Portelinha tem autonomia para se organizar dentro das possibilidades ofertadas.
Desde já reforçamos que essas possibilidades têm de garantir o bem estar de todas as faixas econômicas presentes ali na comunidade.

Saímos da reunião cientes de que todo o processo e luta ainda continuará.
Mas a certeza de que PORTELINHA UNIDA JAMAIS SERÁ VENCIDA cresce a cada dia!
QUEREMOS MORADIA DIGNA JÁ!

Anúncios

[PARANÁ] Portelinha Unida na Luta por Moradia Digna

A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas sorrindo, atividades ao ar livre

No último dia 25 de março, moradoras e moradores da Comunidade Portelinha – Curitiba estiveram na Rua da Cidadania da Fazendinha – Regional Portão para mais uma vez lutar por seus direitos.

As demandas apresentadas foram:
1. A realocação imediata, para uma área adequada e próxima à comunidade, das 20 famílias que moram em uma área de risco em constante possibilidade de perderem seus lares, num cenário de tragédia anunciada há tempos.
2. Elaboração de um projeto de regularização fundiária, promessa já feita em reunião com o prefeito Rafael Greca de Macedo e com a COHAB Curitiba, esta última com quem a comunidade se reunirá novamente ainda nessa semana.

Para avançar nesse projeto de regularização, também ficou combinado que agentes da prefeitura e COHAB entrarão em contato com a empresa proprietária de maior parte dos terrenos para marcar uma reunião com representantes da comunidade.

Com muita disposição e firmeza, moradoras e moradores protagonizaram mais uma importante mobilização nesses 12 anos de luta da Portelinha.
PORTELINHA UNIDA JAMAIS SERÁ VENCIDA!
MORADIA DIGNA JÁ!

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: 7 pessoas
A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo
A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas

[PARANÁ] Tia Cleia: Um Exemplo de Luta e Solidariedade

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Em uma madrugada de sábado (no dia 9 de fevereiro), a luta por um mundo mais justo e fraterno perdeu uma de suas grandes guerreiras: Cleia Margarida Salvador, conhecida por todos como Tia Cleia.

Cleia morava desde muito jovem no bairro Santa Quitéria, onde era extremamente conhecida e querida por todos. Em uma simples caminhada pela região, era possível ver o grande número de pessoas de todas as idades que vinham cumprimentá-la e “pedir a benção” para a Tia. Na Comunidade Portelinha, ocupação que existe há mais de 10 anos na região, Cleia era uma das mais antigas moradoras, e figura de ponta nas mais diversas mobilizações em prol da comunidade. Tinha especial carinho e cuidado para com as crianças, sempre organizando festas, doações e brincadeiras.

Grande entusiasta de atividades culturais, destacava com frequência a importância de serem organizados festivais e apresentações para o povo da comunidade. Com sua grande habilidade para arrancar gargalhadas, criou o personagem Juquinha, um garoto travesso que sempre aparecia para alegrar as festas da comunidade.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, nuvem, céu, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, listras, atividades ao ar livre e close-up

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e área interna

Como militante do Movimento de Organização de Base, participava ativamente da construção da Cooperativa Entre Laços e Linhas, da organização do Sarau de RAP (onde chegou a apresentar suas rimas) e do 1º Show de Piadas da Comunidade, onde além de apresentar seus causos tomou a frente de todos os aspectos da organização do evento, com dedicação exemplar. Também participava da Ciranda, sempre com muita preocupação e carinho pra pensar as atividades a serem realizadas com as crianças. Cleia também era presença constante nas lutas gerais da comunidade, em busca da regularização fundiária e de condições dignas de moradia para todas e todos. Com uma serenidade e otimismo contagiantes, não foram poucas as vezes em que, com chuva ou sol, bateu de porta em porta convidando para as reuniões da associação de moradores, para eventos da comunidade ou para realizar cadastros das famílias.

Todos que a conheceram ficavam espantados com sua energia. Mesmo com a saúde debilitada, sua presença nas mais diversas tarefas militantes era sempre garantia de bom humor. Contando piadas, atenta aos problemas de cada pessoa e sempre disposta a oferecer o ombro amigo, a escuta atenta, a palavra animadora e o abraço caloroso.

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, céu e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas

Um de seus grandes objetivos sempre foi a união entre as duas partes (parte de cima e parte de baixo) da Comunidade Portelinha, sonho que pode ver realizado nos últimos anos, através das festas e reuniões conjuntas e da construção do sentimento de que todos fazem parte de uma mesma comunidade e com a mesma meta: uma vida digna para todos. Outro grande sonho de sua vida era ser radialista e publicar em livro os textos que escrevia. Tia Cleia estava desde 2018 envolvida no projeto de construção da Rádio Portelinha, trabalho que infelizmente não pode ver concluído mas que, assim como seus outros sonhos, certamente será levado adiante.

Apesar da tristeza que acometeu a todos que a conheciam por conta da partida de uma companheira tão querida, o que fica é a importância cada vez mais urgente de dar continuidade ao seu legado de amor, luta e alegria. Hoje, a rua principal da Comunidade Portelinha tem o nome de Avenida Tia Cleia, para lembrar que as sementes de solidariedade e luta em prol do bem comum que foram o lançadas ao solo por toda a sua vida, devem continuar sendo regadas para que todos possam colher os frutos de um mundo justo, digno e fraterno.

A imagem pode conter: 1 pessoa, pássaro

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado, mesa e área interna

CLEIA MARGARIDA SALVADOR PRESENTE!
VIVA A TIA CLEIA!

[PARANÁ] Respeito e Moradia Digna às Ocupações do CIC!

Nesta sexta-feira (07/12/18), mais de 300 casas da ocupação urbana 29 de Março foram atingidas por um incêndio provocado pela Polícia Militar. No local sobram destroços e indignação.

Os relatos de moradoras e moradores descrevem uma ação violenta e abusiva por parte da PM, em retaliação à morte de um policial. Com os rostos cobertos e sem a identificação na farda, a PM invadiu e revirou casas, sem mandado. Famílias foram acordadas de madrugada, revistadas de maneira ilegal e imoral, e ameaçadas no caso de não encontrarem o paradeiro da pessoa que supostamente matou o policial. Informações dão conta que a pessoa tentou duas vezes se entregar, o que parecia não ser o suficiente para o braço armado do Estado.

Em seguida, o fogo começou. Dentre as notícias que circulam sobre as mortes, duas se destacam por se tratarem de execuções: um rapaz que denunciou o início do fogo e foi morto a tiros dentro de casa; outro que foi levado pela PM e encontrado sem vida a quilômetros da ocupação. Os cartuchos no chão de balas, não só de borracha, revelam o uso de força letal contra os moradores. Houveram feridos no ataque, inclusive idosos. O incêndio provocado tirou a vida de muitos animais. Entre os moradores, há vítimas não confirmadas.

 

Mesmo com o terror que se instalava, a comunidade conseguiu resistir com a união entre moradores de todas as ocupações (Tiradentes, Nova Primavera, 29 de Março, Dona Cida) e o apoio de outras comunidades, movimentos e organizações. Estão no local várias pessoas e organizações que auxiliam na resistência e captação de itens básicos de sobrevivência.

Na entrada da comunidade, montou-se uma tenda para reunir as doações e improvisou-se uma cozinha comunitária, para alimentar a todas as mulheres, homens e crianças que ficaram sem ter como ou o que cozinhar.

Doações estão sendo coletadas em diversos pontos da cidade e região metropolitana (conforme descrito ao final deste link: https://bit.ly/2zOyxtI). São prioridade: comida (inclusive pronta), leite, fraldas e materiais de construção e água potável.

Devido à urgência da situação, a unidade de atendimento do CRAS Moradias Corbélia está aberta ao atendimento à população e recebimento de doações também neste sábado e domingo, das 8h às 17h. Na sexta-feira, as famílias desabrigadas foram direcionadas à escola municipal Doutor Hamilton. A partir de sábado, o acolhimento é feito pela ONG Anjos. São poucas as famílias, entretanto, que buscaram o abrigamento. A maior parte foi acolhida pelos próprios moradores, vizinhos que entendem que a dor de um é a de todos.
Todas e todos temem o retorno da PM, dizem não conseguir descansar nem dormir direito. Em meio à calamidade que se desenha, surpreende a falta de ação da Prefeitura de Curitiba e COHAB. Os escombros permanecem, com materiais em brasa e fumaça ainda presentes, aumentando a vulnerabilidade social das famílias e os riscos à saúde.

É necessária a limpeza do terreno imediatamente, a realocação das famílias para moradias adequadas e a regularização das ocupações, garantindo o direito à moradia. Esta luta vem sendo sendo feita por esta comunidade e outras comunidades há anos em meio a tantos contratempos pelo descaso e repressão do Poder Público.

É hora de muita união e solidariedade entre as comunidades e movimentos! Não podemos esquecer as atrocidades que aconteceram nesta comunidade! Moradia digna já!

[PARANÁ] Nota de Solidariedade ás Ocupações do CIC: Contra a Violência do Estado.

 

O Movimento de Organização de Base – Paraná (MOB-PR) se solidariza de maneira incondicional às famílias das ocupações da região do CIC que na última sexta-feira (07/12) sofreram um duro ataque em seus direitos, sentindo mais uma vez a face cruel e violenta do Estado.

Durante a sexta-feira, moradoras e moradores das ocupações Dona Cida, 29 de Março, Tiradentes e Nova Primavera relataram o pânico causado por ações policiais durante o dia. Com a justificativa de estarem em busca de uma pessoa que supostamente havia baleado um policial, os agentes de segurança do Estado arrombaram e invadiram casas, agrediram pessoas, deram tiros para o alto e inclusive torturaram pessoas em frente a seus familiares, incluindo crianças e idosos.

No período da noite, um incêndio de grandes proporções iniciou-se na Ocupação 29 de Março, que foi devastada pelas chamas. Até o momento, informações dão conta que centenas de famílias perderam suas casas e pertences.

Todo esse cenário de barbárie e violência foi promovido pelo Estado, através de seu braço armado (a Polícia Militar) que usou de brutal violência contra a população pobre da cidade, bem como por não promover o direito básico à moradia digna, uma luta histórica das ocupações da região.

Nesse momento, todo apoio é fundamental. Estão sendo organizados pontos de coleta no CIC e em diversos pontos da cidade. Solidariedade é mais que palavra escrita!

 

Todo apoio às moradoras e moradores!
Pelo fim da violência policial!
Moradia digna já!

PONTOS DE COLETA:

– Escola Ensino Fundamental Doutor Hamilton Calderari Leal – R. Victor Grycajuk, 121 – São Miguel
– Ong anjos em frente a praça auto bela vista no Sabará – R. Carlos Eduardo Martins Mercer, 31
– igreja Sara Nossa Terra Barigui – Rua Ricardo Emilio Michel, 531
– Cras Moradias Corbélia – R. Profa. Cecília Iritani, 510
– santo Isidoro 80
– associação Moradias Sabará 1, 151
– Casa do Estudante, centro
– Avenida Presidente kennedy, 2134 – Sara Nossa Terra

*LONAS e MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO em geral são muito bem vindos! Além de utensílios domésticos, móveis, produtos de higiene, roupas.

 

(PARANÁ) Mutirão para instalação da nova rede de água na Portelinha!

Nos dias 25 e 26 de agosto, aconteceu na Comunidade Portelinha um grande mutirão para instalação de uma nova rede de água. Para solucionar problemas constantes como a falta de água e vazamentos, moradoras e moradores se uniram. Com muita solidariedade, companheirismo e determinação, o povo organizado dá mais um exemplo de que as mudanças que queremos não vão vir dos ricos e poderosos, mas da luta cotidiana pela melhoria de nossas condições de vida, construindo com as próprias mãos a transformação de nossa realidade.

Viva a organização do povo!
Viva a Portelinha!